Todos.

Senti dentro de mim um desejo interminável de escrever, e não digo que sobre você, mas talvez pra você!! Costumamos nos apegar rápido à pessoas que são cativantes por natureza, e entende-se que cativantes não são de cara pessoas boas para convivência, para dividir um vida junto, talvez apenas para um papo casual; calma não estou dizendo que elas são más, mas são pessoas que como tantas outras são capazes de mentir e se sobressair encima de alguém. Ok, eu assumo que você foi além disso, e não dos desprazeres de ter te conhecido, mas sim do prazeres que a vida pôde nos oferecer! Sei que como tantos outros textos escritos aqui, esse não passará pra frente e me reconforta saber que talvez você nunca saiba verdadeiramente a importância que tem minha vida. Reconforta porque aprendemos o dia o inteiro, que hoje em dia, não se é possível se dar ao luxo de “amar”, “gostar de verdade” de alguém, pelo simples fato que isso é considerado, agora, fraqueza. E assumo, sou frágil, fraca e não me julgo ruim por isso, pelo contrário admiro por haver ainda dentro de mim alguém que goste intensamente quando deveria estar aos prantos por tudo que já passou e ouviu. Não, não estou contradizendo o que disse no texto anterior, eu odeio isso, odeio essa fragilidade, primeiro porque não sei lidar com ela, segundo porque sei que as pessoas não conseguem valorizar, terceiro, bom terceiro porque convenhamos dá mesmo pra ser fraca onde todo mundo só te apedreja?! Num mundo de fingimentos, em primeiro lugar, tenho que fingir o dobro pra conseguir ao menos “sobreviver” e essa “sobrevida” tem que ter resultados, afinal vivemos numa sociedade não é mesmo? E a sociedade quer o que da gente? Bem todo nós sabemos afinal…não preciso indagar sobre o que esperam de nós (nós, indivíduos; não eu e você como pôde perceber).

Tá vendo como as coisas são?! Podia muito bem só falar de você, mas existe um mundo em volta que não me deixa esfriar a cabeça e colocar tudo que eu sinto aqui dentro; talvez porque sinta demais ou  talvez, porque não sinta nada!! Quando conhecemos alguém nunca pensamos ao certo o que a pessoa irá nos oferecer, ( olha só a vida feita de trocas interruptas). Não sabemos quantas histórias nossos olhares irão dividir, e quantas risadas e choros iremos passar; apenas conhecemos e deixamos a vida caminhar e traçar o rumo que tende a ser.  Não foi diferente conosco, deixamos a vida traçar e olha só onde viemos parar, no meu desfiladeiro… Me jogo? Ou jogo você? Não sei. Parece difícil assumir quando nos dói, e essa dor nos faz querer ainda mais, talvez seja mesmo sadomasoquista onde tem que haver dor pra valer a pena, pra ter significado ou no final virar minha inspiração! Hoje olhando pro céu fiquei vagueando e deixando minha memória me pregar uma peça, me fazendo lembrar de filosofias antigas: “Talvez eu seja mesmo, um cristal que pega o pior das pessoas, suga, guarda e transforma..” – e sabe, a vida vai passando e quanto mais penso, mais bato nessa mesma conclusão, como se ela quisesse enfim dizer – “não adianta fugir, você é feita pra ser assim” – talvez eu seja, cara amiga, talvez eu seja exatamente assim… Depois disso passei a observar que sempre conheci o lado pior das pessoas, e não pior de maldade; mas pior de tristezas, medos, confusões! É indescritível quantas pessoas ao me ver simplesmente descansam seu coração e se abrem e gritam aos quantos ventos todas as dores que as corroem; o que um cristal faz frente à uma energia negativa? Suga. E começa-se o processo de inversão, tudo que era bom saí para que outra pessoa possa usufruir, tudo que é ruim entra para que  metamorfose possa fazer sua parte! Eis me aqui, a metamorfose ambulante (nada poético, nada analógico, é cru e dolorido). Sim, deveria ser a beleza da vida, ser assim, mas acredite em mim, dói e dói de duas formas distintas, a primeira de enxergar um coração confuso, pisoteado, dolorido e não fazer nada; a segunda é fazer e toda aquela carga energética pesada sombrear teu coração sabendo que não terá ninguém pra te abraçar na esquina seguinte… Ao passar dos anos, essas cargas vão tomando conta, ajeitando-se dentro de você; não faz tanto mal como da primeira vez, seu organismo já se habituou à receber, à estocar, à conviver… você, já habituou a sorrir quando seu interior permanecia silenciosamente no caos!! No breve permear, você acostuma, sempre acostuma… E o que tem haver com nós? – Sei que seu caos está no fim, sei que as confusões foram sanadas, sei que algo em você foi restaurado e as coisas voltaram a fazer sentido, a tomar um rumo, a seguir o caminho, caminho do qual eu não acredito mais fazer parte. O que é cruel, porque mais uma vez aprendi a conviver, à gostar, a querer estar perto e fazer sorrir. Mais uma vez me doei, de corpo e alma, mais uma vez …  Sei que não é nada concreto, mas com o passar dos minutos vejo-o indo e não olhando pra trás. Vejo direções opostas e aqui dentro coube o medo, a desconfiança a dor.. enfim, a dor!

 

 

Todos.

Às vezes sinto ódio de mim, ódio de não conseguir lidar com o meu lado sentimental, ódio de não conseguir colocar um basta em situações que não deveriam significar nada, ódio de não conseguir terminar uma coisa que está fadada ao fracasso.

Às vezes tenho ódio de mim, por não conseguir controlar esse meu lado doente e emocional. Sim, tenho ódio de mim por não conseguir e me sentir presa aos muitos sentimentos que carrego aqui dentro. Tenho ódio de mim, por saber demais, procurar demais e fazer pelos outros coisas que esqueço que também são fundamentais aqui dentro. Tenho ódio de mim, um ódio incontrolável, silencioso que me aprisiona e me faz morrer lentamente.

Tenho ódio de quando sinto demais e as coisas ficam sufocadas em meu peito como se fosse um corrosivo a adentrar meu corpo e me fazer apodrecer. Eu tenho ódio de amar demais, gostar demais, preocupar demais e não conseguir caminhar. Eu tenho ódio de amar!

 

Todos.

A quantas luas não venho aqui e quanto tempo desconheço o que é derramar lágrimas. Quanto tempo não ouço o estalar do tempo, nem sinto os espinhos envolta de mim me sufocando. A quanto tempo, o tempo deixou de fazer parte de mim; de contar os segundos que aproximo do meu caos interior, e o quanto isso não significa mais nada é inexplicável e doce. Não saiu de mim naqueles temporais a fome insaciável de derramar a cada tossida um pedaço do meu interior, não quebrou em mim o pote de palavras – emudecidas – que trago dentro do peito, no entanto, no presente não se fazem necessárias no meu cotidiano estrondosamente feliz. Feliz… dá pra sentir isso ecoando dentro de você, recocheteando cada pedaço do seu ego interior e deteriorando esse sorriso sarcástico que te traz todos os dias aqui a me observar silenciosamente. Felicidade é o que te machuca talvez, e por te machucar é que me faço eternamente dentro desse vinculo sutil.

Sempre citei o quão a vida nos golpeia, a quantas chicotadas nos doem e a quantos dessabores uma rotina pode ganhar; sempre disse que a vida nos surpreende, no torna amargos, nos deteriora e nos rouba grandes preciosidades. E talvez a vida saiba retribuir de fato todo as lágrimas que você espalha ou coleciona por aí, pra te devolver sorrisos que realmente fazem parte de quem você quis ser. Talvez falte muito pra entender minhas palavras até aqui, e talvez não faça o menor sentido, sentir tudo isso. Acontece que meu estado momentâneo poucos saberiam decifrar, e não me surpreende logo você, não me entender. Como se eu imaginasse que você saberia dizer, que sou seu anjo pelo resto da vida mesmo não precisando entender.

Oras, e será mesmo que isso conta afinal? Se minha felicidade não provém de ti, nem mesmo ecoa por você? Talvez sim, talvez não…

Todos.

Todo mundo carrega dentro do peito uma dor ou outra que define quem é, que caminha pesando os pés, que procura uma saída e a alma caleja a qualquer tentativa. Eu sei, todo mundo tem uma saudade de um sorriso que não recebeu, de um abraço que ficou só no desejo, de um sonho que não realizou e que por não querer enfrentar que ele não acontecerá acaba adiando e colocando como último na lista de prioridades. Todo mundo tem algum receio que justifica alguma atitude e acaba sempre estampando na cara um aviso de “não mecha comigo você não sabe o que tem aqui dentro” e continua caminhando…Todo mundo tem, tem algo pelo que chorar, uma saudade ao qual se lembrar; uma história pra contar, um amor pra recordar, todo mundo tem algo que profundamente é guardado hora querendo não encontrar, hora querendo expor ao mundo.

Das coisas que todo mundo tem, eu tenho não em dobro nem pela metade simplesmente tenho na medida, a exata medida que me dói mais! Soam sorrisos que nunca vi abraços que não recebi, amores que não vivi; soam histórias de mim; histórias minhas, de outrem, histórias que não fazem da minha alma janela de sorrisos. Das coisas que carrego algumas me pesam mais, outras latejam mais e várias que ficam pelo caminho impedindo minha passagem! Já me vi sentada, já me vi parada, já me saltando e fingindo que não acontece, que não conhece, que não dói; já me vi fingindo e dessa forma eu cheguei até aqui. Procurei satisfazer a vida que queria ter sonhando, e cai. Procurei saltar os problemas, fugir das intrigas, desviar dos enganos e eles me derrubaram.. Enxuguei lágrimas, fiz nascer sorrisos enquanto dentro de mim haviam temporais. Almejei o melhor e plantei a semente da felicidade no coração de cada um, esqueci de mim. Passei por cima dos meus sentimentos, escondi das minhas falhas, doei amor e fui rejeitada! Observando eu lembro de vários cadernos impregnados de palavras como essas que escrevo hoje; lágrimas em forma de parágrafos soltos ao vento sem ninguém pra observar; sento-me hoje e quando olho pela janela, vejo uma menina sofrendo, uma mulher machucada pelo tempo, pelas pessoas,pelos sonhos; uma mulher incapaz de mudar, calejada, semi-morta! Quando olho pela janela, não consigo descrever palavras de felicidade, versos daquela saudade boa, não carrego em mim lembranças saudáveis da vida que vivi. O resultado dessa matemática é bem simples, não há saldos positivos que salvem as quantidades de verdades negativas dentro de mim, não há resultado positivo que faça viver numa equação perdida pelo tempo… Diversas vezes nos momentos em que minha saúde física estava bem ruim eu me vi pedindo pra Deus pra não me deixar morrer, pra me salvar de qualquer mal ali porque eu queria viver, porque eu tinha muito o que viver de fato eu queria, queria ver minha vida mudar e eu conseguir finalmente ser feliz! Mas hoje eu vejo que o tempo pode passar o quanto for, minha saúde mental não deixa mentir a realidade que vivo dentro de mim e por essa razão eu não sei até onde conseguirei ir. Por vezes também não sei o quanto estou disposta a “pagar pra ver” se tudo que se passa agora vai virar memória e eu vou conseguir me livrar disso; as respostas podem me doer ainda mais do que essa realidade que eu vivo e talvez seja fatal (sim eu nunca menti, que tenho medo de viver). É bem triste olhar pro lado e não conseguir sorrir, saber que o dia acabou e você não fez nada do que você queria ou nada que surpreendesse seu dia. É bem triste olhar pro lado e não ver ninguém sentado ali te esperando pra ouvir do seu dia, pra compartilhar dos seus sonhos pra te dar um abraço que seja; triste olhar pro lado e não conseguir se alegrar de onde você está, de como você está! Me pergunto até onde eu vou conseguir ir. Caminhar tem se tornado dolorido…estou doente, eu sei mas simplesmente não consigo parar! Me julguem fraca, talvez eu realmente seja, e sinceramente não quero saber se você acha isso bom ou ruim, e se for melhor pra você lembre de mim assim, a história mal acabada, a lágrima caída, o sorriso esquecido; lembre de mim assim, caída; eu realmente não me importo.

Todos.

Você já sentiu como se algo dentro de você morresse lentamente? E já se desesperou ao perceber que dentro de você ia ficando um vácuo, uma falta, uma brecha que não dá pra preencher?

 

Não sei o que anda acontecendo, as coisas ao meu redor vão morrendo e aos poucos vou percebendo a frieza tomando conta do meu coração, as lágrimas hoje escorrem com mais facilidade e toda noite as lembranças veem me assombrar como se ao amanhecer as coisas voltariam ao seu lugar! Não sei o que anda acontecendo, minha sensibilidade a flor da pele não me deixa mentir que existe dentro de mim uma falta incalculável, uma saudade torturante e uma decepção inexplicável. Não sei o que anda acontecendo, mas ta doendo e quanto mais tento esquecer, mais acabo me procurando por você e se isso não é amor, meu Deus eu não sei o que pode ser. Ás vezes me pego distante, pensando que posso estar adoecendo, muitas dessas vezes não importo, porque não faz diferença pra mim e não consigo lidar com essa rejeição que fica sobrevoando meu coração todos os dias; no restante do tempo fico tentando encontrar maneiras e motivos para levantar e as lágrimas me impedem de enxergar. Tenho andando sozinha, tentando aceitar os fatos, tenho tentado ignorar e as palavras não param de sair do meu coração, como um grito surdo nesse espaço vazio, não visitado. Eu sei que você continua andando por aí, prosseguindo sua vida, o que na verdade me leva a crer que nada da nossa historia fez diferença; acontece que no final das contas nem eu mesma sei se isso é verdade, você sempre quis se passar por forte, até mesmo quando a tempestade era grande até pra mim que tava do seu lado, e sempre admirei o fato de você conseguir transparecer estar bem pra aqueles que não te querem bem continuar morrendo de inveja por não conseguirem te derrubar, acontece que eu não sou assim, e as pessoas que não me querem bem, me veem caída, sem forças e chorando…

As minhas playlist’s que tanto adorava ouvir, hoje viraram torturas melódicas que só falam de saudade, de amor, de lágrimas ou simplesmente falam entre linhas, de você. Não tenho conseguido encontrar forças pra levantar, pra caminhar; as músicas já não me satisfazem, as palavras parecem não sumir não saciar e a saudade se tornou sufocante dentro do peito. Não consigo lidar, não consigo parar de: escrever, chorar, implorar… Eu amo você!

Todos.

Quero de Natal

Os dias vão passando e ás vezes a incerteza inunda meu coração e a saudade que bate aqui é bastante sufocante, a ficha anda caindo como conta gotas, uma hora lembro de algo que vivemos, outra lembro das tuas manias bobas, dos teus sorriso, das brincadeiras que permeavam meu dia; lembro de um costume, lembro de onde frequenta, procuro seu rosto em outros rostos e acabo cansada afirmando à mim mesma que tudo isso acabou e que a vida continua e tenho que prosseguir.

Não sei como está, e como andas, quais são teus receios e se sente falta de mim; não sei se sorrir por aí, se ao menos tenta não cair e se alguém a sua volta te faz bem ou mal; não sei se sonhou hoje e se foi feliz, não sei de você e isso me dói. As vezes procuramos por caminhos pros nossos passos serem mais leves e a subida não doer e pesar tanto quanto  descida da vida, as vezes procuramos meios de não deixar sangrar uma ferida ainda aberta e a vida vem te provar que é impossível esquecer pois lateja na alma.

As noites quase inexistem em mim e a lembrança fica ainda mais nítida quanto tento evitar, ainda acho injusto o que a vida fez com a gente, ou talvez tenha sido justa e não consegui enxergar. Muitas dores nos veem irremediavelmente e imaginar que essa dor tão remediável se fez latente e pulsante é desconcertante. A gente vive não querendo perder ninguém pra morte que é irreversível e acaba sempre matando alguém que ainda está em vida e porque? Coisas tão mesquinhas, sentimentos tão frívolos, detalhes tão desnecessários que não cabe na minha consciência que tenha sido mais fácil dessa forma, e que tenha sido fácil lidar com isso, porque tenho que te confessar, não anda fácil aqui dentro.

Você sabe, não faço o tipo orgulhosa e assumo pro mundo, um erro, uma falha porque graças a Deus não sou perfeita e não acho humilhação se redimir, se desculpar e correr atrás; mas eu ainda realmente não aprendi a lidar com esquecimentos, com palavras proferidas e muito menos com rejeição. Você sabe, nunca foi fácil pra mim lidar com isso, e essa sentimental e fraca aqui chora toda vez que lembra, que logo você que soube da minha história, sabe da minha vida e me conhece a tantos anos tenha feito isso comigo. Me questiono se a vida vai ser mesmo assim, pesada pra mim,me questiono se sua reação foi de susto e o jeito que agiu foi uma forma de não querer me machucar, mas machucou mais e pior!

Sinto sua falta, e queria que tudo isso não tivesse acontecido. Sinto sua falta e a necessidade de um sorriso ultrapassa todo meu orgulho e decepção. A gente ao longo da vida perde tantas coisas sem querer, ou com  o mudar da história, não queria te perder pro mundo, pro esquecimento, você é especial pra mim!

Eu te amo e se pudesse escolher nesse natal qualquer coisa, minima que seja, escolheria poder ter você aqui pra te desejar o mundo de coisas boas, pra poder te desejar o amor infinito que ainda sinto dentro de mim. Se eu pudesse escolher qualquer coisa, hoje, nessa data tão especial escolheria você! E não por dependência, porque eu vivo sem você, mas porque aos longos de dez anos, ao longo de tanta história que passei te perder não fazia parte do meu querer, dos meus planos e foi uma brincadeira de mal gosto da vida ter que passar esses últimos meses sem você.

Por Deus, pelos céus que tua felicidade seja infinita, sua vida cheia de amor e paz e que seu coração enobreça com o tempo, com a vida, com os sorrisos e que você possa sorrir com alma e com os olhos. Mesmo longe, te quero bem, te desejo o bem e sinto sua falta.

Continuo te amando…

Todos.

Go on…

Muitas vezes quando algo dá errado, nos fechamos e não enxergarmos quantos pontos ao longo do caminho deram certo, talvez por displicência esquecemos até os sorrisos que espalhamos por aí. Não recrimino, geralmente o que dói mais é o que apetece e entorpece a alma e não é atoa que as maiores e melhores inspirações são quando a tristeza toma conta do coração, mas calma, não estou dizendo que somente elas dão frutos boas palavras e uma cronica inspiradora, é que na sua grande maioria as dores dão um choque de realidade, batem com tamanha força que é impossível passar desapercebido, agora um sorriso costuma ser leve, macio, doce e mais fácil de lidar.

Quando a gente acorda depois de um tapa como esse, é difícil achar que seu dia vai mudar na hora seguinte do “bom dia” e essa insegurança vai perdurar por longos minutos até a coragem de sair da cama vir de encontro a nós, ou até mesmo a necessidade de sair dela, que seja, acontece que uma hora ou outra, na alegria ou na tristeza temos e iremos ter que sair daquele conforto habitual para encarar de frente a realidade, mesmo que tenha sido dolorido na noite anterior e nos segundos anteriores  após o “despertar”, como havia dito é bem difícil acreditar que tudo irá mudar até você receber um carinho inesperado, uma atitude que revele a você que por mais incerta que a vida esteja, vale a pena não desesperar e continuar a caminhar, da mesma forma da Dori de “Procurando o Nemo” – “Continue a nadar, continue a nadar” e sim, nunca pare, nunca olhe para atrás, apenas continue… vai valer a pena nos dias seguintes…

 

Todos.

Câncer

Hoje vejo claramente que as coisas não foram bem assim, hoje eu enxergo de forma diferente e se aquela conversa fosse nesse exato momento, minhas palavras sairiam exatamente assim:

 

“Pra você o amanhã nunca existiu
Esqueceu tudo o que vivemos ontem
Jogou fora dias meses e lembranças…”

 Lá atrás quando nos conhecemos me propus a ser solicita, a ceder aos seus caprichos, a entender suas falhas e a aconselhar nos seus medos. Lá no passado, fui paciente com teus erros, passei por cima de muitos sentimentos pra vivermos uma coisa que fosse verdadeira, que fosse pura e que fosse bom de recordar. Lá atrás fui além do que poderia ser só pra poder alcançar uma expectativa de uma vida a dois duradoura e quando digo “a dois” não me remeto a laços afetivos como namoro e tudo mais, mas o laço que estávamos construindo ali aos poucos, aos tropeços, nossa amizade. E foi em meio a altos e baixos que tudo começou a confiança cresceu e o carinho se fez necessário, foi aos poucos que fomos lapidando uma peça de vidro cristalina, rebuscada e intocável, quando de uma vez ela caiu no chão, caiu sem dó nem pesar e tudo que estava ali, tudo que havíamos construído quebrou. Meu choque foi tremendo e eu pedi muito aos céus pra aquilo tudo que diziam fosse mentira a seu respeito, eu afobada, com medo com horror de achar que podia colocar a mão no fogo por você me queimei e foi duro aguentar, doeu quando li cada vírgula daquele email naquele dia que tinha tudo pra ser gostoso. O choque foi tremendo, mas hora nenhuma me coloquei no banco dos juízes e me pus a julgar sua atitude, seus feitos, sua história ou que havia acontecido e levado aquilo, tentei ser amena, ouvir meu coração e entender que apesar daquilo ali ser mentira, tudo mentira, dois anos de mentira haviam 4 ou 5 de felicidade ao seu lado, havia risadas, conversas boas, fraquezas e muitas vidas envolvidas eu não podia deixar pra trás por um erro, por um mero erro que na verdade não condizia com o que você era por dentro. Aceitei, perdoei, entendi e passei por cima…(erro meu, confesso).

 A vida passou, a gente construiu uma base forte, houve companheirismo, sinceridade, felicidade e como tudo na vida, momento ruins e quantos momentos ruins que quase pedi pra morrer por ti ver bem de novo! Me doei de corpo e alma e novamente busquei fazer sempre o melhor. Comecei passando por cima de mim, dos meus sentimentos quando dizia que a amizade importava mais, aconselhei quando na verdade queria dizer “olha aqui, eu to aqui me enxergue”; mas acreditei que se você estivesse feliz, eu estaria e por isso ficaríamos bem! Chorei quando vi suas lágrimas por quem não merecia, e sorri quando tuas conquistas transformavam o dia; preocupei com as horas, com os acidentes, com a vida que passava e nunca dava certo da gente se ver, recriminei meus erros e engoli vários desaforos quando na verdade era um estresse somente seu. Aceitei novamente seus defeitos e acabei entendendo-os um a um até não haver mais diferença pra mim, nem me incomodar mais; tirei uma hora ou duas do dia pra saber se as coisas andavam como deviam, e odiava não poder estar ao seu lado quando os tropeços eram grandes, mas como você mesmo citou “eu ti vi crescer, e virar o homem que é hoje” e certamente vi, e admirei ainda mais quando vi que esse homem superava barreiras sozinho. Anos se passaram e aos 10 anos, tudo acabou!

 Acabou num erro meu, mas diante mão já confesso que não é errado falar o que sente, não é errado omitir, mas digo que foi erro meu, quando acreditei que havia amor suficiente no seu coração para entender, compreender e aceitar, aquelas mesmas atitudes que lá atrás tive por você; erro meu em aceitar ser tratada da forma que fui e ainda sim voltar pra pedir perdão por uma coisa que não estava errada; erro meu em ser humilde e ir durante anos aceitando e me calado diante de uma situação em que nós dois sairíamos felizes, erro meu quando me propus a escrever por você, pra você, por nós. Sim erro meu quando não aceitei o fato lá no passado de que a pessoa a qual eu gostava, acreditava e confiava morreu na sua mentira grotesca sobre nossa vida! E por que acreditei? Porque eu realmente achei que seria capaz de acrescentar um carinho a qual você é incapaz de sentir!

 Hoje completa 18 dias que tudo aconteceu, sim, não posso dizer que não sinto falta de tudo, da nossa história; ainda não posso afirmar que tudo que havia aqui dentro de mim morreu, mas por muitos dias suas palavras ficaram ecoando dentro do meu coração e a cada medida que soava, algo da nossa história foi morrendo, secando deixando de existir. Eu aceitei, aceitei o fato de que durante esse tempo fiz muito por nós dois e fiz sozinha. Aceitei a esperar e calar a voz do meu interior de ir atrás, correr atrás de algo que não merecia, e não por mim, por você que não reconheço mais e que não merece quem sou e o que fui por você! Entendi que realmente coração alheio é terra de ninguém, terra não habitada e onde a incoerência e crueldade pode morar sem pedir licença. Entendi quando diziam que há pessoas que conhecemos a anos que não sabemos tudo, e há pessoas que bastam 5 minutos para entendermos por uma vida inteira. Aprendi a acreditar em Deus, e na sua providencia divina e que por mais que tenha testado e colocado a minha fé a prova, me redimi e a certeza de estar de pé hoje vem d’Ele. Sem clichês e sem vitimização, eu realmente desejei morrer e não por você, por ter sido tão burra, tão desonesta comigo mesmo, por ter sido tão ingênua quando o assunto era você!!! Ainda me dói, e ainda escorrem lágrimas o rosto quando me proponho a falar de você ou ouço algo que me remete a quem você foi; ainda acho injusto como toda a  nossa história terminou e sei que ficarão anos pra me recuperar dos 10 que vivemos. Talvez você esteja pensando que fugi, e talvez se eu pudesse tinha fugido de mim, porque sim eu fugi de qualquer coisa que me fizesse lembrar de você e não me arrependo, porque dentro do meu coração eu sei que a qualquer palavra sua eu voltaria a viver ao seu lado, passando por cima de tudo que eu sou, e por querer me amar demais e além disso, eu ouso ti falar que eu não quero voltar, eu não vou voltar e desejo profundamente que os anos passem e tudo que há aqui dentro com teu nome suma sem vestígios e lembranças, que tudo apague e vire poeira que o vento possa carregar pra bem longe. Eu não quero viver por você, com você, pra você eu simplesmente não quero você e sabe porque? Porque hoje é perceptível que você não é o bem que vivia na minha vida, você era o câncer que me consumia silenciosamente a cada movimento do relógio que é a nossa vida.

Eu te amo e te odeio numa intensidade que minha alma é incapaz de conviver.

Por cada noite sem dormir
Cada dia que passou
Por cada vez, cada vez que me senti assim
Pela grana que eu gastei
Pelo tempo que perdi
Que foi em vão e eu fiquei sem ter pra onde ir

Cada briga sem razão
Cada verso sem refrão
Você virou as costas pra quem te era bom
Mas não vou ficar aqui me lamentando com você
Essa é a última vez que faço essa ligação
Escute bem porque

Quando eu desligar
Você não vai saber mais nada sobre mim
Chegamos ao fim
O ultimo alô
É na verdade um adeus
Esqueça aqueles planos
Eles não são mais seus

Por cada hora que passou
E as mentiras que contou
Por alguém que talvez deixei de conhecer
Pelas cartas que escrevi…

Nx Zero – Ligação.

 

BekiGirl

Todos.

Porque?

É difícil acreditar que ouvi de você o que meu coração não queria escutar! Difícil crer que depois de longos 10 anos você demonstrou o quão estranha sou na sua vida, o quão diferente sou na sua percepção. Tem sido difícil assimilar as palavras que foram soltas, a atitude que tomou, e compreender o rumo que essa história tomou!! Eu que ensaiei incansavelmente todas as palavras, pontos e vírgulas para que não houvesse erro, dúvida. Eu que procurei uma melhor opção, um melhor jeito, uma maneira mais sutil, que preocupei com o que tínhamos até aqui, que imaginei mil e uma alternativas para não ferir nossa história, para não intervir no contexto, para não machucar e até mesmo para amenizar cada coisa. Eu que na minha posição escolhi afastar invés de correr atrás do que meu coração canta por aí… Eu que fiz tudo pensando no nosso melhor…

Ás vezes me pego pensando até quando você vai descontar em mim o que outros fizeram à você, fico contando nos ponteiros do relógio até quando você vai fazer da minha bondade, do meu coração: tapete. Me pego pensando o quanto eu errei, no que eu errei pra existir tanta desconfiança em mim, sabe o que é pior? Não consigo ver, porque até aqui fui integra, fui sincera, fui eu mesma sem mentiras e forjamentos. Você que conhece minhas fraquezas, meus medos, minhas inseguranças. Você que sabe por quanta coisa passei, o quanto esse pobre coração foi maltratado pelo tempo, pelas pessoas, pelas circunstâncias, você que conhece cada detalhe dos meus dias; minha música, meus lugares preferidos, minhas paixões passageiras, meu amores não correspondidos. Você que sabe meus erros, meus passos, meus desleixos… Você que me viu crescer, virar mulher.. É incompreensível!

Massacrada por um erro que não foi meu, julgada por uma atitude que não condiz com o quem sou, rejeitada numa mentira que não é a minha. E logo você que esperava que fosse o primeiro a me entender!!!  Só me diz, porque? – Perdoei teus erros, chorei nas tuas culpas e medos, fiz morada e porto seguro quando tudo ao seu redor ameaçava sucumbir. Chorei e implorei aos céus pelo seu retorno, toda vez que numa notícia indesejada sua chegava aos meus ouvidos, imaginando que não teria a chance de dizer a você tudo que se passava aqui dentro. Eu que lutei pela sua felicidade, passei por cima de mim pra ti fazer enxergar os caminhos que melhor atendiam seu coração. Eu que sempre estive aqui por você, porque?! Porque me diz isso? Porque me julga assim?

…e tudo que eu consigo fazer é chorar! Choro de raiva, de decepção, de saudade, de culpa… Choro pela desconfiança, pelo julgamento, pelas palavras que saíram sem você nem pensar, choro por ter feito tudo, por não ter acreditado, por ter continuado, e por ainda saber que estarei aqui; choro porque você não sente, não sofre, não liga. Choro por ter perdoado, por não ter imaginado, por você ser assim tão estranho pra mim. Choro de saudade, de medo…choro novamente por você!

Só me diz, porque?

BekiGirl

Todos.

Você que já sentiu o tempo escorrer pelos dedos impossibilitados de agarrá-los, de usufruir das suas belezas, gasta-lo de forma prazerosa ou dividi-lo com alguém que realmente valha a pena. Você que já assistiu de camarote a vida passar, como um filme trágico, como um drama mal contado, como um conto de fadas inacabado. Você que já imaginou como seria, se poderia, se faria, e os “se” preencheram todos os vazios possíveis, expulsaram todas as certezas cabíveis e fez morada na alma que não lhe pertencia. Você que simplesmente existe, e por mais brechas que podem haver, nenhuma delas você se enquadra..esse espaço, aqui e agora é seu!

Certa noite, uma noite bem atípica uma pessoa disse que não existia amizade que não fosse de pai e mãe, que não existia amizade de verdade, aquela que o tempo lhe fazia jus e deixaria mais gostosa, mais intensa, mais divertida. Nessa mesma noite defenderam com honra e poesia que existia sim, que era certo sim, e que além de pai e mãe existia a verdade! Mentira. No final o que restam são utopias do que querem acreditar, forjam situações, pensamentos, momentos, planos para satisfazer um ego interior idiota demais pra entender que nos últimos vinte segundos restantes é essa utopia que vai ferir, que vai doer que vai pedir sua parcela na esperança que se esvai lentamente. A honestidade mais suficiente pro momento é acreditar que você é sua única e simples amiga ou amigo, e que só você pode se bastar num mundo de farsas e dores, que só você se bastará quando precisar de um conselho. Seja você o seu próprio ombro amigo, seja você que enxugará as lágrimas que lhe escorrem pelo rosto, que afasta os sonhos mais aterrorizantes, que calará sua boca quando for proferir algo bem “bosta”. Seja força, seja único, seja suficiente, pra sua alma conseguir seguir leve, sem necessidades de segundos e terceiros.

O tempo passa e a procura é por uma alma que complete uma essência que só existe em você, não tem como ninguém completar um pote vazio de ar, assim como não tem como ninguém completar um coração sombrio e sozinho. Não tem como se completar o inacabado, o mal feito, o mal projetado; muito menos completar o caminho incerto. Simplesmente não tem como ti completar, aceite e comece a trabalhar com a possibilidade de ser assim pela infinidade que ti reste, seja ela os próximos 15 minutos, seja ela os próximos 15 anos. Aceite até o fim, será assim! E não acredite no velho ditado do “tudo no tempo certo”, porque o “tempo certo” pode ser aquela famosa utopia citada acima, onde você cria, onde você arquiteta pra confortar um “bem estar” somente seu. Vamos pensar no  8 ou 80? Da mesma forma que você quer acreditar que existirá o bem, terá uma força bipolar que projetará o mal, dessa forma da mesma maneira que você quer que tudo isso seja mentira, existe uma força bipolar falando que é verdade. São fatos, como 1+1 são 2. Não, não são 3! Um dia, você passará por uma frustração amorosa tão grande, que será inevitável não gritar agarrado ao travesseiro querendo que o mundo ti engula e nunca mais ti mostre a luz do dia. Em algum momento várias pessoas que se intitulavam “amigas” irão virar as costas, e irem embora sem dar satisfação, e você acabará entendendo que foi as mudanças de rotina que fizeram esse fatigo “fim” ser tão monstruoso. Em algum dia você acordará querendo um colo, um afago e quando você pensa que pode contar, alguém simplesmente virará pra você e dirá em alto e bom som “Você precisa gostar mais da sua própria companhia” e sair andando como se aquelas palavras não ecoassem na sua alma. Numa tarde, você procurará retorno dos diversos conselhos que você se desdobrou pra dar, mesmo sentindo “dor” e ouvirá um “Para de noia” ou um “Para de drama” bem claro e nítido na cara, que você não saberá onde enfiá-la nos próximos 2 meses, hora de vergonha, hora de decepção total.  Você acordará se sentindo a pior pessoa do universo, e achará que o fundo do poço não é algo assim tão amedrontador depois que você o alcança e perceberá que sempre haverá uma brecha pra sua alma cair um pouco mais. Um dia você esperará ansiosamente pela reposta de um convite, pela resposta de uma possível distração, pela resposta de algo que ti levante profundamente do lugar onde você está, duas coisas acontecerão, essa resposta nunca chegará e de contrapartida você saberá que o convite feito estará acontecendo, mas com todo mundo, menos você. Algum dia você sonhará que a vida pode ser além de tantos furos, de tantas mentiras, de tantas ilusões e a própria vida via ti retribuir sorrindo que sonhar é uma utopia (olha ela de novo aí) e utopias não foram feitas para serem reais. Um dia você pisará na bola e se sentirá a pior pessoa do mundo, como se nunca alguém tivesse pisado a bola com você e você tivesse relevado após ver que essa pessoa nem sofria pelo erro cometido. Um dia você se cobrará tanto que seu próprio corpo irá ti responder ” Hey, para, não fiz nada com você”. Mas a pressão será tamanha que você será incapaz de enxergar onde parar; porque parar; como parar…. A verdade que resta é que isso acumulará em cada pedaço seu, como uma esfera infinita, nítida e brilhante e que só irá engolir seus próximos passos, e “possíveis” conquistas; a verdade é que isso fará de você cruel, e não cruel com o mundo porque esse já espezinhou bastante seu ser, mas será cruel com as pessoas que estão próximas, porque você sabe que elas serão as próximas a repetirem e cometerem os mesmo atos com você, com a diferença que os espinhos não serão os mesmo, serão novos, os furos não serão os mesmo, serão mais e no caminhar, no viver os pedaços que ficam não contam nem metade da história que você quis viver, quis ser, quis passar… A conclusão que fica é que familia, será sempre sua. Que amigos, não existem. Que conselhos são ouro e você não pode desperdiça-los com outras pessoas que não seja a si próprio. Que amor, e carinho você tem que ter a você mesmo. E que viver, viver é meramente o 8 maldoso do seu 80 ignorante e esperançoso.BekiGirl