Todos.

Sobrevivendo

Queria que doesse um pouco menos, para conseguir apenas alcançar o ar que me rodeia. Queria ao menos conseguir vagar por aí nas sombras dos meus pensamentos e esvair toda sua importância no ácido que mesmo soltas. Queria não me diluir no gosto amargo das dúvidas, da insegurança. Queria manter intacto toda à luz que vieste me ofertar e não deixar uma só nuvem afastar aquela velha sensação de proteção criada. Queria… Oh, como queria manter a potes lacrados e separados o mau e todo o amor que possuo… De tanto querer meu coração se compadece a dor, a dor de não alcançar o desejado, a dor de não obter o necessário para sobreviver aos seus tempos de oscilação de escuridão.

Cansada de sobreviver dos rastros de luz lançados, cansada de fazer oásis uma casa de areia que qualquer vento destrói, cansada de sobreviver de fragmentos largados no chão… Buscar a exatidão da força que me falta, no eco profundo que possuo em mim é quase o mesmo que procurar o grão de areia de nossas lembranças no deserto de coisas que vivemos.

Não sabes o que criou em mim, então não tentas em vão destruir. Não sabes, a quantos fragmentos estão lacrados com seu nome onde nem mesmo cabe um pedaço de mim. Não sabes e nem noção tens do tamanho da tempestade que se forma e o rio de lágrimas que corre de meus olhos ao ti ver assim. Não sabes… Não queres saber e me dói, profundamente.

“ Amar é sentir o perfume da pessoa impregnado em você e o seu nela.” – A quantas luas, sinto o seu perfume aqui? A quantas estações meu olhar procura alcançar o seu  na multidão? Luas e estações demais para descrever-te, para dizer-te o quanto chorei, o quanto esperei para ter você aqui… Sem ponto final, porque estou a sobreviver mais uma lua sem você…

 

Anúncios

9 thoughts on “Sobrevivendo”

  1. Queria manter intacto todo meu passado, para que hoje refletisse o melhor na minha vida.
    Você também está cansada?rs! – Que coincidência!
    “Não sabes o que criou em mim, então não tentas em vão destruir.” – Nossa! Que frase verdadeira. Mas sempre acabam destruindo.

    Quantas luas passaram e eu a te esperar… E no final, sobrevivi!

    Mas é verão, é tempo de se alegrar, de sobreviver e com ponto final.

    Um texto maravilhoso, parabéns!

    Beijos!

  2. “Não sabes o que criou em mim, então não tentas em vão destruir.”
    A imensidão do amor é muito maior que qualquer fonte de destruição, infelizmente!

    Sensacional. Fantástico.

  3. Como sempre seus textos me emocionam, pois dizem de tudo que tenho engasgado em mim…

    O título do seu post é mais que verdadeiro, Termino 2010 com a sensação de que este ano lutamos dia a dia contra o amor,ora pedindo trégua,ora perdendo a luta,ora se levantando e ao longo sobrevivendo… Desejo que em 2011 tudo seja diferente, que possamos lutar “com” o amor, lado a lado, sugando, ao contrário desde ano, tudo de bom que ele tenha a nos oferecer.
    Querida, te desejo muita paz, saúde, energia e realizações em 2011.
    Bjos,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s