Balelas, Diário de Bordo, Todos.

Happy(?) Birthday

Reza a lenda de que um dia viveu bem, escreveu sobre amor, falou de fantasias e brincou a luz do dia como se não houvesse o amanhã. Diziam que vivia feliz, sorriso no rosto, cabelos ao vento, sonhos para distribuir pelo mundo. Era solta pelo mundo, não tinha medo, de ninguém era refém e sentia  a vida em plena e intensa como tudo tende a ser.  Certo dia, caminhando percebeu que sua aquarela já não era mais completa, que suas cores estavam se esvaindo e quando olhou para trás tudo tinha tons cinzentos,  esmaecidos, esquecidos… Percebeu que a vida passara, que cada passo a realidade roubara um sonho seu. Passou a escrever sobre a dor, sobre os espinhos e com eles foi se tornando amarga, incompleta, perdida; suas fantasias  velhos maltrapilhos empoeirados; as brincadeiras a luz do dia, se tornaram pesadelos a noite e amanhã ao certo sempre estivera lá. Diziam agora que viveu feliz, que tinha um sorriso no rosto, seus cabelos agora presos e seus sonhos no chão. É presa pelo mundo, cheia de medos, refém de si mesmo, sente a vida com cálidos calafrios intensos e sombrios, e tudo tende a continuar assim, real.

Poderia sim dizer e comemorar 5 anos de wordpress com confetes, bolos e alegrias; mas estaria ferindo meu estado de espirito que não me deixa ser cordial. A vida sim é fria, de uma frieza incondicional, que relata meu estado mental bem psicótico outra vez, de volta ao meu mundo habitual da qual eu me reconheço, me apeteço….

 

Anúncios
Balelas, Diário de Bordo, Todos.

Olhos

 Não quero alguém que goste de mim pelo estilo do meu cabelo, nem pelo sorriso que carrego no rosto. – O meu cabelo, nem sempre estará da mesma forma todos os dias, nem sempre terá o mesmo brilho, mesmo penteado e talvez nem a mesma cor, meu sorriso pode ser amarelado, falso, forçado, fingido, sincero demais ou simplesmente bobo, o desapego de não ser igual sempre. 

Não quero alguém que goste de mim, pela roupa que visto, pelo tênis que calço, pela marca que compro, nem pelo perfume que uso. – As roupas um dia se rasgam, acabam, o tênis desgasta, fica ultrapassado, a marca pode deixar de existir.

Não quero alguém que goste de mim pelas músicas que ouço, pelos meus gostos, pelos meu gestos nem  mesmo pela minha forma de pensar. – As músicas saem da moda, os gostos assim como gestos mudam-se e a rotatividade da vida nos propõe mudar sempre.

 Não quero alguém que goste de mim pelos lugares que frequento, pelos filmes que vejo, nem pelas companhias que eu tenho. – O lugares deixarão de existir, os filmes se tornarão velhos, e as companhias podem ser carregadas com o vento.

 Quero alguém que goste de mim pelo meu olhar, porque ao contrário de tudo, ele sempre terá a mesma forma, a mesma cor; será sempre sincero e integro aos meus sentimentos; não acabará até que eu faleça, não se desgastará com o tempo passando, não se tornará ultrapassado na forma de ver o mundo; nunca sairá de moda, serão cansados, mas nunca velhos e nunca se esvairá com o tempo, pode um dia vir a deixar de existir, mas sempre serão os mesmos olhos, meus olhos, parte de mim.

BekiGirl

Balelas, Diário de Bordo, Leitura, Todos.

Tempo é Remédio

 A vida nunca avisa qual a melhor hora para seguir enfrente, ás vezes o remédio é curtir o momento, as dores, as decepções, os medos e rancores com calma, com tempo e é por isso que o tempo cura tudo (santo remédio), ou não. Ele pode ser traiçoeiro nos fazer manter a mágoa a decepção ali na beira do precipício esperando o momento certo de agir e nos dar o golpe fatal ou nos mostrar o quão não esperamos o remédio agir por inteiro. Ficamos com pressa de engolir o mundo de buscar a percepção as coisas mais simplórias, quando são os detalhes que nos fazem enxergar além dos horizontes. Nos manter abertos a qualquer mudança de tempo e não nos impedir de viver  por medo, por receio ou simplesmente por não saber o que nos aguarda ali na frente, – que a frente os bons ventos possam abençoar, e os pensamentos positivos possam nos dar força para caminhar. A vida é mesmo cheia de mistérios, pequenos erros nos fazem crescer a uma quantidade exorbitante que qualquer acerto ou ganho não podiam nos mostrar, nos faz entender quando estamos realmente preparados pelo que está por vir e quando precisamos amadurecer para sermos melhores, pessoas mais sábias.Cogito até ser daquelas velhas sábias e contadoras de histórias para mostrar as pessoas que para viver basta apenas deixar o tempo existir, resistir a ele e ser feliz!

 

BekiGirl

Balelas, Diário de Bordo, Todos.

Amigos!

 Não quero amigos que lembrem-se de mim quando sumo, quero amigos que me deem motivos para não sumir. Não quero amigos que sentem minha falta quando ninguém soube aconselhar, quero amigos que me deixem fazer parte do seu dia-a-dia. Não quero amigos que me deem força quando preciso, quero amigos dos quais eu não precise pedir ajuda. Não quero amigos de imagem, de fotos, de saídas, quero amigos pra toda vida, de verdade. Não preciso de status, de sorriso falsos, de abraços desnecessários, quero afago de saber que tem alguém ao meu lado, quero o sossego de encontrar independente do lugar alguém pra silenciar, não quero uma felicidade ilusória, só quero alguém a quem não precise fingir que o mundo não estar a desabar. Não preciso de amigos da boca pra fora, do cumprimento na rua como estranhos, amigos que sua existência é dispensável, não eu não quero amigos irreais… Quero amigos que me façam sorrir, que me façam bem, que me querem bem. Quero amigos que demonstre a importância que temos em acordar todos os dias, quero amigos que façam questão da minha companhia, que impeça a triste de chegar perto. Quero amigos que saibam abraçar, que saibam se calar, que saibam só de olhar… Eu quero amigos!

BekiGirl

Balelas, Diário de Bordo, Todos.

Dispensável

 Ás vezes a gente nem dá tanta importância pro que acontece na nossa vida, e quando não reclama, não agradece e fica por isso mesmo. Ás vezes, esquecemos de como tudo pode ser diferente se a gente quiser, mas também não nos esforçamos pra mudar. Acreditar e persistir hoje em dia, se tornou dispensável, quando na verdade teria que ter se tornado  essencial. As pessoas perderam os valores que sustentava uma vida saudável, e o desnecessário se tornou rotina. Muitas vezes deixamos de perceber quando está tudo errado simplesmente pela fadiga de dizer ao próximo o quão importante ele é. A sociedade se tornou doente. Não adianta também culparmos a tecnologia, a rotina, a falta de tempo, porque sempre encontramos tempo para aquilo que nos interesse, sempre acrescentamos na rotina aquela rede social a mais, sempre queremos aquele último aparelho tecnológico do mercado, a culpa é nossa, minha, sua, de todos… A culpa é substituir uma vida de valores por valores materiais, por sentimentos superficiais, por frivolidades. E essa vida de imagem não condiz com o que se passa em meu coração.

BekiGirl

 

Balelas, Diário de Bordo, Todos.

Dispensável

 Ás vezes a gente nem dá tanta importância pro que acontece na nossa vida, e quando não reclama, não agradece e fica por isso mesmo. Ás vezes, esquecemos de como tudo pode ser diferente se a gente quiser, mas também não nos esforçamos pra mudar. Acreditar e persistir hoje em dia, se tornou dispensável, quando na verdade teria que ter se tornado  essencial. As pessoas perderam os valores que sustentava uma vida saudável, e o desnecessário se tornou rotina. Muitas vezes deixamos de perceber quando está tudo errado simplesmente pela fadiga de dizer ao próximo o quão importante ele é. A sociedade se tornou doente. Não adianta também culparmos a tecnologia, a rotina, a falta de tempo, porque sempre encontramos tempo para aquilo que nos interesse, sempre acrescentamos na rotina aquela rede social a mais, sempre queremos aquele último aparelho tecnológico do mercado, a culpa é nossa, minha, sua, de todos… A culpa é substituir uma vida de valores por valores materiais, por sentimentos superficiais, por frivolidades. E essa vida de imagem não condiz com o que se passa em meu coração.

BekiGirl

 

Balelas, Diário de Bordo, Todos.

Pesadelo I

“It burns into your heart the darkness that you fear
You were never free and you never realized
And love is a word you’ve never heard
Your heart ain’t cold cause it burns
The desire to leave the mind..” ♪

(And We Run – Within Temptation)

Você anda sempre tão cheio de tudo, nenhum sorriso lhe sorri mais. Você anda tão sobressaltado, pesadelosque nenhum brilho você repara mais. A vida anda numa corrida sem volta, e você é incapaz de olhar a beleza de qualquer coisa à sua volta. A tristeza é tão sua companheira que dói o coração até mesmo do mais amargurado dos seres.
Seus sonhos, são seus únicos amigos, porque nem seus piores inimigos quiseram fazer parte. Sua vida é tão fechada, tão trancada que nem a luz do dia é visita bem-vinda. Se faz breu, o breu da cor dos seus olhos e o medo que convém, é todo meu.  Seus dias foram tão resumidos em você, que você se esqueceu de incluir quem mais quis bem. Ignora tudo ao seu redor pro bem que só você enxerga, o bem de ti fazer mal. Consome seus dias em viver sozinho, largado, amargurado e a vida que quis bater a sua porta você chutou estrada a fora, cego pelos pesadelos que entorpecem sua alma, perdida. Perdida estou, sem poder demonstrar o quão pesadelo você se tornou ao me visitar.

 

BekiGirl

Balelas, Diário de Bordo, Leitura, Todos.

“Todo sopro que apaga uma chama, reacende o que for pra ficar..” ♪

 Fora dos eixos, talvez, mas quem nunca se encontrou assim, desaprumado da vida, desgostoso com o rumo das coisas que atirem a primeira pedra, e que nunca se esqueçam de que ela pode voltar…

  Bom, nem tudo são flores, doces e perfumes e a vida nem está aqui disposta a quem quer viver uma perfeição. Estamos em constante mudança, fazendo escolhas todo santo dia, até em dia não Santo, imagine só. Venho aprimorando o fato de que necessito me conhecer mais, me reconhecer em outros atos e até mesmo em ações corriqueiras do dia-a-dia, afiar minha mente, aguçar meus sentidos me pôr no lugar dos outros e saber exatamente como agiria. Eu necessito me entender. E abrir mão das coisas que não me fazem bem, é só um dos quesitos da lista (imensa), que tenho em mente.  O ato de fazer escolhas, e arcar com suas consequências. Reconhecer seus limites, e se esforçar ao máximo para expandi-los. Se aperfeiçoar em aceitar, compreender e ser tolerante. E aprender a impor meus valores; valores pessoais, profissionais, valores de mim como mulher. Resolvi ser assim, e como nunca me opus em crescer, eis aqui alguém que está em busca de melhorar. Em fase de mutação e que não seja genética por favor.

Sempre acreditei que os livros são maior fonte de vida que já existe, de inspiração de alegria; é neles que muitas vezes encontramos força, sonhamos, desejamos e entendemos algumas coisas, e não diferente disso o livro que peguei na biblioteca essa semana me fez crescer, e entender que necessito de mim mesma, com o título bem peculiar de “Por que os homens amam as mulheres poderosas?”, me fez entender um mundo do qual não pertencia e achar características minhas que precisam urgentemente serem melhoras. Antes mesmo de julgar “Poxa, lendo livro de auto-ajuda.” ou, “Meu Deus quem lê algo desse gênero”, tenhamos que ter em mente que livros são livros e as palavras podem serem calorosas para um bom leitor. Nunca fiz distinção de livro pelo titulo e é por isso mesmo que me surpreendo a cada livro que leio. Não diferente, esse acordou meu lado Mulher de ver a vida. Obrigado Sherry Argov, você me surpreende a cada página, e me fez enxergar que podemos ser diferentes, podemos mesclar do altruísmo ao egocentrismo, desde que saibamos como não ser extremistas, e que devemos acima de tudo nos amar.

As vezes necessitamos de um choque de realidade, um sopro de mudança, e fico imensamente feliz de ter encontrado um porto seguro num livro tão singelo e peculiar.

Post grande eu sei e prometo voltar pra falar do livro da Martha Medeiros.

Até lá, que sejamos grandes, fortes  e maduros para aguentar os vendavais da vida.

BekiGirl

Balelas, Diário de Bordo, Todos.

Outra moradora

Já parei de contabilizar quantas vezes, e a quantos dias eu abro essa página para atualizar o blog. Perdi a noção de quantas idéias fúteis vieram na minha cabeça quando comecei a redigir um texto e vi minha superficialidade à tona. Ando em falta, comigo, com o blog, com minha vida. Ando em falta com meus projetos pro futuro, meus sonhos e até mesmo minhas vontades. Eu ando em falta… As palavras tropeçam na minha mente, em turbilhões furiosos para serem despejados e darem uma sensação momentânea de alivio, mas nenhuma delas são suficientes para realmente descrever o que se passa comigo, ou o que realmente não anda se passando.  Você já teve a sensação de se policiar e ao se observar, não entender mais quem você é? E se perguntar, cadê, qual parte de mim é esta aí? – Como se fosse um espelho o tempo todo voltado pra você? E perceber que suas atitudes mudaram, seu sorriso, seu brilho, seu eu. Você não reconhece, não sabe pra onde foram aqueles medos, aqueles questionamentos, aquela solidão, aquela alegria. Você nem sabe mais até que ponto é realmente felicidade e qual ponto é ilusão. Você já se perdeu? – Pois é, eu me perdi de mim. Por hora, acredito ser bom, os aspectos positivos do outro “eu” tem feito minha vida ser mais leve, mais divertida, mais feliz, ou não.

BekiGirl

Balelas, Diário de Bordo, Todos.

Desapego

Aonde foram parar todas as esperanças, os sorrisos, a conquista, a luta. Porque sumiram todos os potes de felicidadImageme da estante, todos os retratos das prateleiras, todas as lembranças. Porque esmaeceu a alegria, daquela foto colorida tão especial? – Aonde foram parar as respostas, que estancavam o coração, deixava a sensação de cumplicidade de emoção. O que foi feito com os sonhos e onde está a estrada que me endureceu? – Ás vezes precisamos, parar; como toda música enjoativa, como todo dia estressante, como cada momento que merece ser eternizado, tem momentos na vida que necessitamos somente estagnar, assistir de camarote a vida passar, a curva da estrada vir e o vento bater no seu rosto lhe desejando boa sorte. Muitas vezes necessitamos somente nos reposicionar, abrir mão do que já não completa, do que já ficou ultrapassado, do que ficou envelhecido; desapegar do que ficou démodé (apesar de amar, démodé’s). Tem dias, que nos pedem isso, esquecer, iluminar-se, crescer…

BekiGirl