Balelas, Diário de Bordo, Todos.

Happy(?) Birthday

Reza a lenda de que um dia viveu bem, escreveu sobre amor, falou de fantasias e brincou a luz do dia como se não houvesse o amanhã. Diziam que vivia feliz, sorriso no rosto, cabelos ao vento, sonhos para distribuir pelo mundo. Era solta pelo mundo, não tinha medo, de ninguém era refém e sentia  a vida em plena e intensa como tudo tende a ser.  Certo dia, caminhando percebeu que sua aquarela já não era mais completa, que suas cores estavam se esvaindo e quando olhou para trás tudo tinha tons cinzentos,  esmaecidos, esquecidos… Percebeu que a vida passara, que cada passo a realidade roubara um sonho seu. Passou a escrever sobre a dor, sobre os espinhos e com eles foi se tornando amarga, incompleta, perdida; suas fantasias  velhos maltrapilhos empoeirados; as brincadeiras a luz do dia, se tornaram pesadelos a noite e amanhã ao certo sempre estivera lá. Diziam agora que viveu feliz, que tinha um sorriso no rosto, seus cabelos agora presos e seus sonhos no chão. É presa pelo mundo, cheia de medos, refém de si mesmo, sente a vida com cálidos calafrios intensos e sombrios, e tudo tende a continuar assim, real.

Poderia sim dizer e comemorar 5 anos de wordpress com confetes, bolos e alegrias; mas estaria ferindo meu estado de espirito que não me deixa ser cordial. A vida sim é fria, de uma frieza incondicional, que relata meu estado mental bem psicótico outra vez, de volta ao meu mundo habitual da qual eu me reconheço, me apeteço….

 

Anúncios
Diário de Bordo, Todos.

Lembrar de você me faz, sorrir

Eu posso virar a noite pensando em você e não me cansar; posso contar todos os teus defeitos sem querer afastar,contar todos os seus trejeitos e ainda assim me surpreender ao seu primeiro toque, posso lembrar das nossas antigas conversas, nossos planos, lembra? Da casinha de madeira no meio das árvores, e dos campos floridos? Lembra do nosso cantinho no meio do nada, só pra nós dois?! Dos dias frios? Do café suave. Lembra dos nossos planos, sua cerveja na minha geladeira, meu vinho na sua mesa.  Podia recontar quantas vezes planejamos passar nosso final de semana, montar nosso quebra-cabeça, ou ficar simplesmente em silêncio perto do outro. Eu poderia, cantar qualquer canção que nenhuma delas seria igual aquela da sua presença e poderia, só sorrir novamente ao ti ver online no Skype, me constranger ao ouvir sua voz, ou simplesmente esquecer que a ligação é em grupo e me alegrar ao ouvir seu “OI” meio sem jeito. Ouvir sua explicação pela milionésima vez que você “respira pela boca e por isso fica o chiado no microfone”. Lembrar que não acreditou na minha história de que sim, eu cai na friendzone. Posso lembrar dos seus olhos a me observar, da sua vergonha quando eu elogiei e do seu jeito meigo de querer não perder nenhum detalhe e ainda assim tentar prestar atenção na nossa conversa, sim eu sei, você tem déficit (e cá pra nós, isso é um charme), e por falar em charme, e seu sorriso canto de boca, no meio dessa barba por fazer que me deixa nas nuvens? OK. Não precisamos detalhar. Mas é simplesmente bom, lembrar… Acho que nunca agradeci tanto sua bebedeira desenfreada, pela coragem de assumir e colocar em pratos limpos tudo que sente por mim, e por pouco que seja, por muito que se pareça, eu quero sim, quero você aqui pra esquentar minha cama, pra me abraçar nos meus pesadelos, pra beber do meu vinho, eu da sua cerveja. Pra rir dos papos bobos e achar ruim os LEDs desses aparelhos ultra-modernos. Quero sim, poder ser verdadeiramente eu mesma, sem precisar fugir dos meus defeitos, simplesmente por eles ti fazerem sorrir, e mesmo que meu ciúmes venha bater na cara de nós dois, poder ter você me fazendo raivinha só pra ganhar carinho depois. Eu gosto mesmo de você, e talvez possa não parecer, mas esperei muito por poder lembrar mais coisas de nós dois… Obrigada por me fazer sorrir!

BekiGirl

 

Balelas, Diário de Bordo, Todos.

Olhos

 Não quero alguém que goste de mim pelo estilo do meu cabelo, nem pelo sorriso que carrego no rosto. – O meu cabelo, nem sempre estará da mesma forma todos os dias, nem sempre terá o mesmo brilho, mesmo penteado e talvez nem a mesma cor, meu sorriso pode ser amarelado, falso, forçado, fingido, sincero demais ou simplesmente bobo, o desapego de não ser igual sempre. 

Não quero alguém que goste de mim, pela roupa que visto, pelo tênis que calço, pela marca que compro, nem pelo perfume que uso. – As roupas um dia se rasgam, acabam, o tênis desgasta, fica ultrapassado, a marca pode deixar de existir.

Não quero alguém que goste de mim pelas músicas que ouço, pelos meus gostos, pelos meu gestos nem  mesmo pela minha forma de pensar. – As músicas saem da moda, os gostos assim como gestos mudam-se e a rotatividade da vida nos propõe mudar sempre.

 Não quero alguém que goste de mim pelos lugares que frequento, pelos filmes que vejo, nem pelas companhias que eu tenho. – O lugares deixarão de existir, os filmes se tornarão velhos, e as companhias podem ser carregadas com o vento.

 Quero alguém que goste de mim pelo meu olhar, porque ao contrário de tudo, ele sempre terá a mesma forma, a mesma cor; será sempre sincero e integro aos meus sentimentos; não acabará até que eu faleça, não se desgastará com o tempo passando, não se tornará ultrapassado na forma de ver o mundo; nunca sairá de moda, serão cansados, mas nunca velhos e nunca se esvairá com o tempo, pode um dia vir a deixar de existir, mas sempre serão os mesmos olhos, meus olhos, parte de mim.

BekiGirl

Balelas, Diário de Bordo, Leitura, Todos.

Tempo é Remédio

 A vida nunca avisa qual a melhor hora para seguir enfrente, ás vezes o remédio é curtir o momento, as dores, as decepções, os medos e rancores com calma, com tempo e é por isso que o tempo cura tudo (santo remédio), ou não. Ele pode ser traiçoeiro nos fazer manter a mágoa a decepção ali na beira do precipício esperando o momento certo de agir e nos dar o golpe fatal ou nos mostrar o quão não esperamos o remédio agir por inteiro. Ficamos com pressa de engolir o mundo de buscar a percepção as coisas mais simplórias, quando são os detalhes que nos fazem enxergar além dos horizontes. Nos manter abertos a qualquer mudança de tempo e não nos impedir de viver  por medo, por receio ou simplesmente por não saber o que nos aguarda ali na frente, – que a frente os bons ventos possam abençoar, e os pensamentos positivos possam nos dar força para caminhar. A vida é mesmo cheia de mistérios, pequenos erros nos fazem crescer a uma quantidade exorbitante que qualquer acerto ou ganho não podiam nos mostrar, nos faz entender quando estamos realmente preparados pelo que está por vir e quando precisamos amadurecer para sermos melhores, pessoas mais sábias.Cogito até ser daquelas velhas sábias e contadoras de histórias para mostrar as pessoas que para viver basta apenas deixar o tempo existir, resistir a ele e ser feliz!

 

BekiGirl

Diário de Bordo

Vazia. Saudade. Acabou.

A vida dela ficou vazia sem sua presença. As cores do dia já não são os mesmos. Perdeu o sentido aquela rotina, aquela música, aquele livro. A cama vazia demonstra a dor de não ter por perto. As sombras na parede nunca serão as mesma sombras, pois você não estará lá para complementar. As músicas da infância perderam a graça. Os jogos. O quarto vazio, sua cadeira, o perfume pela casa, seu sorriso a chamando de todos os cantos. A peteca esquecida. O violão que você sempre costumava repetir “tá empenado”. A manete, que ainda é sua. A vida se tornou fardo depois da sua partida. A saudade devora sem pedir permissão… Qualquer canto dessa casa tem um pedaço seu. O nosso corredor. O nosso sofá. Os nossos sonhos, planos, projetos. Os nossos medos. Dores que deixarão marcas, que mutilaram uma esperança íntima. A vida nunca será mais a mesma sem seu abraço, sem seus olhos cor de mel, sem seu sorriso de criança, sem suas manias. Os finais de semana, aqueles nossos finais de semana. Ás vezes, é difícil contentar que a vida possa trazer um bem melhor, um amor melhor que você. Acho que nunca me doeu tanto escrever de alguém, saber que tive, que perdi, que partiu e eu não pude dar meu último abraço, olhar pela última vez o seu sorriso torto, os seus olhos. Imaginar ter morrido em mim, pra mim doí que não consigo nem respirar.. Nossos bichinhos de pelúcia, como os odeio, como queria joga-los fora para nunca mais ter que lembrar que eram seus preferidos. Sabe, adiei, adiei sentir essa dor, a chorar pela sua falta, adiei ter que assumir e resumir o que é não ti ter mais por aqui, e acho que ainda não me foi suficiente, porque mesmo não sendo recente me machuca, me doí. Meu medo de cruzar com sua felicidade e ter que admitir que ela não vem de mim, cara como doí. Há semanas venho sonhando com você, sonhando em ti ter de novo aqui, sonhando em poder sentir seu abraço a me envolver. A dias venho tentando não lembrar que um dia tive você. A semanas proíbo essas lagrimas de cair.. A semanas que tento negar que é verdade. A minha esperança é ainda ti ver voltar… Como saudade doí, como ausência corroí… Como tudo isso sufoca ao ponto de me querer desistir…

 

Balelas, Diário de Bordo, Todos.

Amigos!

 Não quero amigos que lembrem-se de mim quando sumo, quero amigos que me deem motivos para não sumir. Não quero amigos que sentem minha falta quando ninguém soube aconselhar, quero amigos que me deixem fazer parte do seu dia-a-dia. Não quero amigos que me deem força quando preciso, quero amigos dos quais eu não precise pedir ajuda. Não quero amigos de imagem, de fotos, de saídas, quero amigos pra toda vida, de verdade. Não preciso de status, de sorriso falsos, de abraços desnecessários, quero afago de saber que tem alguém ao meu lado, quero o sossego de encontrar independente do lugar alguém pra silenciar, não quero uma felicidade ilusória, só quero alguém a quem não precise fingir que o mundo não estar a desabar. Não preciso de amigos da boca pra fora, do cumprimento na rua como estranhos, amigos que sua existência é dispensável, não eu não quero amigos irreais… Quero amigos que me façam sorrir, que me façam bem, que me querem bem. Quero amigos que demonstre a importância que temos em acordar todos os dias, quero amigos que façam questão da minha companhia, que impeça a triste de chegar perto. Quero amigos que saibam abraçar, que saibam se calar, que saibam só de olhar… Eu quero amigos!

BekiGirl

Balelas, Diário de Bordo, Todos.

Dispensável

 Ás vezes a gente nem dá tanta importância pro que acontece na nossa vida, e quando não reclama, não agradece e fica por isso mesmo. Ás vezes, esquecemos de como tudo pode ser diferente se a gente quiser, mas também não nos esforçamos pra mudar. Acreditar e persistir hoje em dia, se tornou dispensável, quando na verdade teria que ter se tornado  essencial. As pessoas perderam os valores que sustentava uma vida saudável, e o desnecessário se tornou rotina. Muitas vezes deixamos de perceber quando está tudo errado simplesmente pela fadiga de dizer ao próximo o quão importante ele é. A sociedade se tornou doente. Não adianta também culparmos a tecnologia, a rotina, a falta de tempo, porque sempre encontramos tempo para aquilo que nos interesse, sempre acrescentamos na rotina aquela rede social a mais, sempre queremos aquele último aparelho tecnológico do mercado, a culpa é nossa, minha, sua, de todos… A culpa é substituir uma vida de valores por valores materiais, por sentimentos superficiais, por frivolidades. E essa vida de imagem não condiz com o que se passa em meu coração.

BekiGirl

 

Balelas, Diário de Bordo, Todos.

Dispensável

 Ás vezes a gente nem dá tanta importância pro que acontece na nossa vida, e quando não reclama, não agradece e fica por isso mesmo. Ás vezes, esquecemos de como tudo pode ser diferente se a gente quiser, mas também não nos esforçamos pra mudar. Acreditar e persistir hoje em dia, se tornou dispensável, quando na verdade teria que ter se tornado  essencial. As pessoas perderam os valores que sustentava uma vida saudável, e o desnecessário se tornou rotina. Muitas vezes deixamos de perceber quando está tudo errado simplesmente pela fadiga de dizer ao próximo o quão importante ele é. A sociedade se tornou doente. Não adianta também culparmos a tecnologia, a rotina, a falta de tempo, porque sempre encontramos tempo para aquilo que nos interesse, sempre acrescentamos na rotina aquela rede social a mais, sempre queremos aquele último aparelho tecnológico do mercado, a culpa é nossa, minha, sua, de todos… A culpa é substituir uma vida de valores por valores materiais, por sentimentos superficiais, por frivolidades. E essa vida de imagem não condiz com o que se passa em meu coração.

BekiGirl

 

Diário de Bordo, Todos.

Alguém

6272370401_6b315412c6_z

A um tempo venho questionando o meu amor pela escrita, o meu “dom” de descrever as coisas que se passam dentro de mim. Questionei-me se não seria só a situação, os momentos que me faziam transbordar palavras que às vezes eu nem chegava cogitar. Como sempre o silêncio falou por mim… Tenho tentado ficar, ficar aonde eu estava quando tudo isso aqui começou, quando decidi que a conversação não significava tudo que há em mim, e as palavras acalmavam os furacões que minha mente criava. Achei aqui dentro um alento que nenhum abraço me deu, que nenhum sorriso me trouxe, achei uma calmaria que transformou meus dias em doces e suaves movimentos; aqui em cada verso, cada linha achei uma explicação razoável para continuar uma jornada descontínua e dolorosa. Descobri-me amando alguém verdadeiramente, e vivendo esse amor com todas as vírgulas, pontos e nuances até o ponto final, sem dor. Descobri dentro dos meus muitos parágrafos uma mulher que cresceu e abandonou seu medo de viver, uma mulher que saiu da imaturidade e foi viver o que a vida vinha lhe oferecer. Dentro das minhas linhas descobri a simplicidade, o afago, o carinho e as memórias que nunca poderia deixar pra trás… Descobri-me por inteira e me refiz quantas vezes me foi necessário. Até mesmo quando o mundo perdia seu sentido, descobri-me na fraqueza, e na força ao levantar de mais um golpe. Relendo, revivi minhas dores, senti minhas cicatrizes e relembrei quem já fui, e vi quantas e quantas vezes me levantei. Hoje a sensação não é do quanto deixei pra trás, nem do quanto me fizeram descrer numa mudança, hoje a sensação é de um aprendizado imenso, da paciência, da perseverança que viveram ao meu lado invisíveis e sutis a me afagar a cada oscilada. Hoje o que fica em mim é cada vez mais real, é a cada passo mais “eu”. Hoje o que tem aqui é uma mulher que não desacredita quando uma porta se fecha, quando um “não” lhe é dito, quando um sentimento não lhe é dado. Uma mulher que sabe que por menores que sejam seus atos e mesmo que muito deles não sejam valorizados, alguém, um qualquer alguém irá perceber a minha luta por viver, e só por existir, isso me basta.

 

mais uma vez, me questionei sobre continuar, onde eu estava e foi aí que me encontrei…

BekiGirl

 

Balelas, Diário de Bordo, Todos.

Pesadelo I

“It burns into your heart the darkness that you fear
You were never free and you never realized
And love is a word you’ve never heard
Your heart ain’t cold cause it burns
The desire to leave the mind..” ♪

(And We Run – Within Temptation)

Você anda sempre tão cheio de tudo, nenhum sorriso lhe sorri mais. Você anda tão sobressaltado, pesadelosque nenhum brilho você repara mais. A vida anda numa corrida sem volta, e você é incapaz de olhar a beleza de qualquer coisa à sua volta. A tristeza é tão sua companheira que dói o coração até mesmo do mais amargurado dos seres.
Seus sonhos, são seus únicos amigos, porque nem seus piores inimigos quiseram fazer parte. Sua vida é tão fechada, tão trancada que nem a luz do dia é visita bem-vinda. Se faz breu, o breu da cor dos seus olhos e o medo que convém, é todo meu.  Seus dias foram tão resumidos em você, que você se esqueceu de incluir quem mais quis bem. Ignora tudo ao seu redor pro bem que só você enxerga, o bem de ti fazer mal. Consome seus dias em viver sozinho, largado, amargurado e a vida que quis bater a sua porta você chutou estrada a fora, cego pelos pesadelos que entorpecem sua alma, perdida. Perdida estou, sem poder demonstrar o quão pesadelo você se tornou ao me visitar.

 

BekiGirl