Todos.

O ser humano é tão pequeno, que só liga pro que dói a si mesmo. O ser humano é tão falho, tão vazio de sentimento, que só sabe lhe falar dos espinhos que lhe ferem, das dores que lhe causam, dos momentos que lhe falta. Tão cru, tão sem sal diante do mundo, que só sabe falar de si mesmo, sem se apiedar pelo próximo que passa ao lado. O ser humano é tão injusto que comete injustiças a si próprio de não viver e não sentir o que é fazer bem, e se cega a qualquer brecha de uma “sapiência” utópica.

O ser humano é tão incrédulo que duvido da capacidade de acreditar em si mesmo, e de ver um futuro melhor do qual ele se enquadre. São tantos quadros perfeitos, são tantas mentiras virando verdade, são tantos erros e falhas virando acertos e parte da engrenagem, que meu estômago revira em pensar os valores morais, pessoais que carregaremos daqui a alguns anos e se não ligar pra dor alheia faz parte disso, eu prefiro parar por aqui.

Me causa dor, enxergar o vazio nos olhos de quem passa por mim; me causa mal enxergar a maldade exacerbada no coração que podia distribuir gentilezas; me causa mal enxergar  que as pessoas mais injustiçadas pela vida, pela falta de amor e carinho, dando a cara a tapa porque viu alguém que esteja numa condição pior. Me causa repulsa viver em um mundo onde é normal fazer o negativismo aumentar. E mais uma vez, eu paro por aqui.

Não consigo continuar na indiferença, no negativismo. Não consigo seguir sem sentir carinho, sem querer doar amor, porque faz parte de mim ser melhor que isso.

Todos.

Lembrar de você

imagesNão consigo mais, já não dá pra esconder o que meus olhos dizem pra quem quiser enxergar, o que minha boca vacila e treme a qualquer vestígio seu. Não consigo mais esquecer, os detalhes, os gestos, as importâncias. Acontece que as coisas mudaram, e meu coração insiste em ressurgir sentimentos que adormeciam em mim. A coragem vacila outra vez, e quanto menos espero estou aqui, apaixonada por você.

Desde daquela última vez, que fiquei sabendo que você chamara pelo meu nome, num momento improvável. Desde do retorno que tanto pedi aos céus, desde daquele fatigo dia que você retornou e recobrou a consciência, as coisas dentro de mim viraram turbilhões, imaginar que posso acordar e não ter mais a chance de ti dizer a realidade dos fatos me assusta mas a coragem parece sumir das minhas veias, toda vez que vejo seu nome surgir no ar. Anda pesado levar comigo o pensamento de que posso ti fazer feliz, e de que o que você procurou pelos seus caminhos tortuosos, estava bem aqui a sua frente, dentro de mim. Ás vezes, ser intitulada como a “melhor amiga” trás um peso incalculável aos meus braços, aos meus passos e ao meu coração; ajudar e manter a frieza de olhar nos teus olhos e dizer que “dias melhores virão”; ajudar e aconselhar, passando por cima das teias que realmente tecem meu interior; ser amiga e na verdade não ser fiel à mim mesma. Perguntas sempre surgem envolta de mim – “Será que falar a verdade é arriscar tudo que tivemos até aqui?” ou será que “arriscar” é o passo a provar que teremos uma vida pela frente mais unidos do que nunca? Ainda preciso entender, suas brincadeiras, suas frases soltas, sua promessa. Ainda preciso de tempo pra digerir você nunca ter olhado pra mim como mulher, e ter enxergado isso somente quando as coisas andaram errado na sua vida, ou talvez, precisemos de tempo para colocar e pontuar nossa história com as frases que nunca foram ditas, e que talvez nunca venham a ser…

Sentimentos levam minha alma a exaustão, a procura por uma saída que não interfira em nós machuca os meus pés e meu coração só transborda amor, esperança e fé para que esse sentimento possa virar verdade. Imaginar você distribuindo sorrisos enaltece minha alma que só quer ti ver sorrir, mas imaginar-me longe dessa cena entristece meus dias por não poder fazer parte de cada detalhe que ti fazer bem. As palavras saem de mim com a facilidade de descrever algo que a muito já conheço, algo que já faz tanto parte de mim que me assusta. A hora que reconheço você nos meus passos, nos meus dias, nas minhas músicas; que reconheço você nos meus versos e composições e até mesmo nos meus traços, é a hora que quero me deter um pouco, colocar tudo no seu devido lugar e sacudir o medo que me impede de chegar até você, mas é em vão, porque minhas pernas tremem com  a possibilidade de perder o pouco que tenho na sua vida, o pouco que tenho de você. No final tudo que me sobra são sonhos, e a vontade de ti mostrar que você é o cara mais fantástico que conheço, que seu coração é admirável e a sede de viver que você carrega é o combustível exato para fazer qualquer pessoa feliz. No final o que resta é a distância, os planos, as vontades, as mensagens e meu pensamento em você… Tenho que confessar-te eu nunca lembro de você, nem mesmo me recordo durante meus dias, durante minhas horas, porque na verdade eu nunca chego a ti esquecer… Eu te amo!

BekiGirl

Todos.

Primeira Lição da Vida

A vida nunca foi mar de rosas, e talvez por isso nos faz querer ir além e lutar mais, tanto para nos satisfazer quanto para alcançar tudo que queremos. Nunca disseram que seria fácil, e que quando vem com facilidade vai embora na mesma proporção, por isso o suor no rosto, a conquista nos faz merecedores por mérito. Viver requer sacrifícios que muitas vezes nos testam sem piedade, sem preocupação; e a certeza que fica é que se estamos sendo testados é porque temos força o suficiente pra classificar isso como uma fase e passar por cima.

Quantas pessoas passam por provações piores que a nossa? Quantas pessoas não tem com quem contar, não tem como lutar e mesmo assim estão de pé com um sorriso no rosto pronto pra enfrentar qualquer vendaval só por ter uma vida, um sorriso. Estamos acostumados a nos vitimizar, vestir a roupa da defesa e nos classificar como piores seres humanos, como os últimos merecedores de alguma coisa, como ninguém; mas se você está respirando, você já é merecedor de algo, porque viver, só o fato de viver, já ti faz vencedor.

Os caminhos podem ser difíceis, nossos pés podem doer ao andar, os nossos fardos podem pesar mais que toneladas, e a qualquer esquina pode ter uma pedra que irá nos derrubar, há questão que fica é, você se considerará fraco e ficará no chão? Ou, você levantará e provará ao mundo que é mais forte que qualquer pedrinha no meio do caminho? Muitas vezes é uma questão de ponto de vista, e enxergar tudo na vida além do que lhe aparece não é uma tarefa comum, precisa ser forte pra encarar de frente um medo, uma perda, uma dor.

Quando as coisas se tornam difíceis, doloridas, costumamos não enxergar quem está ao nosso lado, costumamos dizer que tudo acabou e nos colocamos no quadro de pessoas fracassadas, de não merecedoras… Mas já pensou o que ti trouxe até aqui? O que não ti fez desistir? E quem apareceu pelo seu caminho pra ti dar uma dose de alegria que fosse? Quando tudo se torna difícil nossa primeira vontade é desistir de viver, de querer morrer, de não tentar; mas eu sei que no fundo nunca fomos covardes e fracos a esse ponto de desistir de nós mesmos, porque não precisamos acreditar em ninguém, em nenhum Deus, Deuses, entidades; a primeira lição da vida é acreditar em nós mesmos, porque se a gente não lutar pelo ideal que queremos ninguém o fará…. O tempo cura qualquer dor, a vida surpreende quem tem olhos abertos pra enxergar, e tudo tende a mudar quando procuramos ser melhores, quando não desistimos, e quando acreditamos que além de vitimas de um destino que nos testa, tem uma vida que quer sorrir que tem sede de viver e que vai além.

Primeira lição da vida: Não desista de si mesmo.

ass

Todos.

Divagar, devagar

São tantos “cansei” que me perco ás vezes em achar no meio de tudo o que não perdeu o sentido. São tantos descasos, desencontros que é preciso muitas vezes fixar além da conta naquilo que ainda permanece. São tantas mortes súbitas, tantos desaparecidos que causa até confusão quando vejo que alguém ainda está aqui. São tantas listas que sobrevoam, tantos números que definem, tantas descrições que sobrepõe que as vezes fica complicado respirar, e este não passou de uma tarefa da qual tenho que executar uma vez atrás da outra, incessantemente; meu corpo cisma em ressaltar a importância desse gesto, sutil necessário, e as vezes sem sentido! A vida não passa de ponto de vista, e o meu nesse caso importa mais que o seu, que está aí silenciado; e o de quem grita aos quatros ventos numa rua lotada, importa mais que a minha que fica presa nesse espaço sem receber acesso, sem ser lido; e aquele do coração suprimido vale tanto ou menos que o meu que ainda insisto em colocar pra fora, e assim segue o fluxo, numa constante rotação sem nexo, onde tudo não passa de como veremos o ponto seguinte, e como ficaremos diante dele, bem ou mal, felizes ou tristes; que no final acaba não importando tanto, porque não incomoda e não dói, e só apetece a quem sente. E quando tudo passa diante dos nossos olhos como um momento final, como um último movimento de respirar é que damos o tal ‘valor’ aos pontos de vista, aos gritos, aos suprimidos, ao todo que nos envolve; mas tudo passa, quando a integridade é recuperada, a vida é reconquistada e o fluxo continua sem nem mesmo perceber se estamos ali, ou se deixamos de estar.

ass

Todos.

“zeros and ones…”

Quando eu me dispus a falar de você, já cheguei aos papéis com lágrimas nos olhos. Nunca soube ao certo definir meus sentimentos e talvez seja confuso explicar o motivo de querer chorar logo agora, depois de tudo, em meio ao nada.
A saudade aperta, como quem quer tirar um espinho bem enterrado, que no final só sabe sangrar e sangrar… A saudade sufoca como uma clausura infinita, onde não há a famosa luz no fim do túnel e o que resta é a escuridão e imagens de um filme silencioso e melancólico, como a cor cinza dos teus olhos que tanto me observaram.
Hoje não sei por onde anda, se me lês, me vês ou me procura; já não sinto sua presença e nem procuro no quarto desarrumado vestígios de você. Não sei se seus passos continuam confusos, tortuosos e todo aquele amor que tinha por mim continua aí dentro intacto dentro do teu peito de aço.
Nunca fiz questão de ti manter perto de mim, e sempre confidenciei a quem quisesse ouvir o quanto era assombroso sua presença em mim, uma presença sem permissão e ás vezes até intrusa demais pra vida piegas da qual eu tenho. Não dei o braço a torcer e quando eu menos esperava você aparecia e sumia como um vendaval num dia nublado, não sabe se chove, não sabe se fica, inerte. Cheguei a mentir pra mim mesma que você não significava nada, e a preocupação em saber por onde andava teus passos crescia com o acelerar do meu coração ao perceber você aqui de novo.
E as palavras que saiam de você foram sempre as mesmas, junto do teu medo inexplicável de que eu pudesse me enjoar de uma alma tão indecifrável e necessária como a sua. Talvez era fogo e gelo e toda essa sensação que nos envolvia, vinha pra mostrar que podia dar certo, que podia ser assustador e podia causar êxtase. Não sei. Novamente não sei definir, descrever só consigo sentir, e esse sentir não me apetece mais. Da última vez, fui grossa, estúpida mas cansada de tantos desencontros, de tanta confusão de tanto medo; cansada de tanto mistério e de não me deixar aproximar, como aproximas de mim quando bem entende. Ás vezes, na vida, não precisamos conhecer, entender os outros pra silenciosamente aceitar de coração aberto o que tiver de vir, e que venham vendavais, sóis, chuvas e sangue que muitas vezes a força tá entre o elo criado, o carinho trocado e os segredos confidenciados…
Eu sei que me observas, que em silencio me deseja, e que dito por não dito me amas. Mas porque desta distância que nos destrói?! Saudade das palavras, do silencio, das ironias, saudade das mentiras, do medo; saudade da presença, da melodia, da expectativa. Saudade de você!

ass

Todos.

Morri!

I write these words in blood, i write these words for you. This world deserves to finally know…”

  As escolhas podem ser dolorosas ás vezes, e eu a escolhi pra doer, e que de verdade? Doa muito! Eu nunca imaginei abrir mão das coisas, ou querer esquece-las como quando a morte chega e não tem nada mais a se fazer a não ser aceitar os fatos! E talvez aqui agora, olhando eu realmente provoquei a morte e a desejei como nunca antes teria feito. Em outras épocas poderia ter sido diferente, em outros anos eu poderia ter escolhido o mais comodo, o mais fácil, o mais aceitável ou até mesmo me rendido ao fato de continuar vivendo dessa forma, mas eu prometi que não seria assim e comecei, comecei pelo que dói mais pra logo anestesiar até não sentir mais! Há anos (talvez) minha solidão física tornou uma verdade absoluta, a anos (talvez) eu tenho caído e levantado sozinha e por diversas vezes quando olhei pro lado só haviam rostos que desconhecia. Há anos venho lutando contra minha psique doentia que teima em me mostrar a verdade mesmo eu tentando camuflar todas as brechas possíveis com verdades meramente inventadas. Se tem uma frase que não sai da minha mente, é aquela proferida pelo Kurt sobre queimar-se – “Melhor queimar do que apagar aos poucos.” (Kurt Cobain – Carta de Despedida); e se formos pensar é realmente melhor queimar-se por completo até o final do pavio e virar cinzas do que ir apagando, acendendo e apagando novamente num clico infinito e doloroso como quem quer uma tortura sem fim. E mesmo que você não esteja entendendo nada do que quero dizer, quero dizer que abri mão de falsos amigos, de números em rede sociais, de rostos conhecidos que não significam mais nada. Abri mão de lembrar passados felizes por não acrescentar no meu presente; abri mão de construir motivos para permanecer no mesmo lugar, abri mão de justificar fatos por continuar ali parada esperando que algo aconteça. Eu abri mão de tudo! Preferi queimar-me, do que ser apenas um pavio qualquer a ser acendido quando bem entender por alguém que já não faz nenhum sentido pra mim. Drama? Talvez. Mas no conceito drama não cabe verdades e afirmações portanto acho que estou além disso!!  E com a morte, vem o período de luto, de achar que não haverá mais esperança, nem felicidade. Vem o cinza permear a vida e tudo ficar sem graça. Com a morte vem as lágrimas, o choro silencioso, as repetidas cenas felizes que viram um filme na mente. Com a morte, vem a dor da perda, a dor de nunca mais poder tocar, sentir, sorrir no mesmo intuito, no mesmo sentido, com as mesmas pessoas… Mas também com a morte, vem a chance de renascer, de ser melhor, de ir além de viver de novo em novos patamares, formando novas diretrizes, vivenciando novas experiências.. Com a morte vem a chance de ser feliz, de tentar de novo… E agora eu estou feliz, feliz com o inesperado, com o desconhecido, feliz em poder tentar esquecer o que me ocorreu e como morri, feliz em poder existir sem sombras, sem magoas, sem dores, feliz em tentar…

BekiGirl

Todos.

Colecionadora de Decepções

Se eu for pautar tudo que me dói e incomoda, essa postagem vai ficar enorme, mas aí pensei: – Idaí? Esse espaço aqui é meu e fico maravilhada em saber disso, esses parágrafos são meus, cada centímetro dessa html é minha, então não gostou? Foda-se fecha no “x” e se exploda.

Começou numa decepção aqui, numa frustração ali, numa chateação lá; foi desgastando, foi corroendo e estourou; antigamente falava que era como um cristal que ia absorvendo cada energia ruim, e transformando, fazendo uma mutação pra viver melhor, pra viver mais, pra conseguir sorrir, acontece que aquele cristal, quebrou. Cansei, tudo me chateia, as pessoas me chateiam, e sim eu sou insuportável, mas fodas não pedi pra gostar de mim, não pedi pra ficar aqui, aliás o que tenho mais convivido é com as faltas, falta de mim mesma, falta de amor próprio, de reconhecimento, de tudo. Um desejo? Morrer, porque não?

Eu fico abismada como as pessoas conseguem ser ruins por um prazer mero delas, por uma mesquinhez ridícula; e mais abismada fico em sofrer tanto por isso. Lutei pra conseguir minhas coisas, meio aos tropeços nunca fui e nem serei perfeita, ou uma pessoa passível de admiração; lutei pra poder ser uma pessoa melhor, espalhar amor e tudo que me resta é ódio, rancor, tristeza. A muitos anos eu não sei o que é ser feliz, e quando me deram um mero vislumbre de que seria me lançaram no chão, sem dó. A muitos anos mantenho um blog sombrio e quem conhece sabe a quanto anos (9 anos se não me engano), venho tentando reerguer de um tropeço aqui, de um espinho ali, de um machucado aqui. Tentando escrever pra ver se ameniza a dor, se diminui as lágrimas, se dói menos e me faz querer ser mais. Não entendo e nem quero entender que na vida alguém esteja fadada a sofrer, e por mais que eu mereça (que talvez esse seja o fato), alguma feixe de luz poderia entorpecer a alma que já anda fatigada de tantos calos, empurrões. Eu esperava mais, esperava um abraço quando eu ajudei, um sorriso quando meu dia tava sem cor; esperava um aperto de mão, um elogio; eu esperava mais diversão, mais seres capazes de se doar, de amar, de cuidar. Sim, cuidar e talvez isso que me doa mais não ter quem cuidar de um coração dolorido, inerte. Talvez, eu seja hipócrita sim quando falei diversas vezes que não esperava nada em troca, mas é que no fundo todos esperamos, e se não todos, EU espero e fodas se isso é ridículo. Eu esperei quando eu ajudei, quando aconselhei, quando abracei; eu esperei quando ergui um aqui, quando amenizei a dor de outro; eu esperei alguém que fizesse por mim o que fiz por muitos e por isso, esteja aqui agora sem rumo, no fim. A vida é engraçada, as pessoas são engraçadas, quando você mais faz, menos ti reconhecem, menos ti enxergam menos veem que no fundo você necessita tanto quanto qualquer um. Quantas vezes ouvi injustamente: “você é fria”, “mas você não precisa disso”, caralho será mesmo que não preciso? Será mesmo que sou fria a ponto de aguentar pessoas me ignorando, afastando, pisando, humilhando; será mesmo que sou fria a ponto de merecer ser descartada como um “nada”, aliás um ‘nada” deve valer mais né? Sabe, cansei, procurei um ponto pra mim, um ponto fixo onde pudesse me mover, onde pudesse viver, onde pudesse ser feliz e acabei encontrando a mim mesma sentada ali de novo e sofrendo, sofrendo, sofrendo sozinha… Será que vou ter que morrer pras pessoas me enxergarem, veem o quanto preciso de carinho, o quanto preciso de alguém? Será que vou precisar sumir pra reconhecerem o quanto fiz o quanto estive sempre lá? Será que é preciso de um FIM pra que vejam o erro, a falta, a dor?

Um dia me falaram que “ninguém realmente se importa” e acabo chegando a conclusão que é mesmo dessa forma, porque alguém se importaria se não dói nele? As pessoas só se preocupam quando atinge elas mesmas, e isso também me machuca. Sabe eu preciso aprender a me importar menos, a preocupar menos, a me doar menos pra ser mais, pra ser feliz, pra viver pra mim. Eu preciso aprender que não existe gente que quer o bem no mundo mais e entender que isso sim é a nossa maior verdade por mais derrocada que seja. Eu preciso aprender a ser, e não simplesmente existir. To cansada, cansada de mim. Arrependida de ter ajudado tantas vezes; de ter acreditado que ia ser diferente quando na verdade não era; de ter tido esperança quando ela estava em falta; arrependida de ter tentado, insistido; de ter ouvido, aconselhado; de ter feito parte de algo que no final nada do seu esforço fez diferença; arrependida de ter enxugado as lágrimas só pra não preocupar, de não ter chamado quando precisava só pra não incomodar; arrependida de ter ido, quando poderia ter ficado quieta; arrependida de ter me aberto tanto, ter sido tão entregue; de ter acreditado em palavras, em olhares, em sorrisos forjados; arrependida de ter amado, me doado, me sacrificado por um sentimento lixo; arrependida de ter sido amiga, namorada, colega ou simples apoio nas horas duras; arrependida de ter sustentado  um olhar pra criar coragem; arrependida daquela carta que escrevi, da mensagem que enviei, de ter corrido atrás; arrependida de ter escrito, de ter chorado por futilidades; arrependida de ter começado e reconhecer que na verdade tudo é mentira; arrependida de ter sido assim, tão trouxa de ter feito muito e no final ficar carregando as dores, a tristeza, as lágrimas alheia. Na verdade, é bem isso que me resta, as lágrimas de quem eu enxuguei, as dores de quem eu ajudei, a força e coragem pra quem eu me doei, na verdade o que me restam são coleções e coleções de frustrações, magoas, ressentimentos, lágrimas que não me pertencem; fui colecionando coisas que não são minhas, sentimentos que nunca foram meus e isso me pesa hoje e eu arrependo de ter feito tudo isso, por mais que tenha feito o bem, tenha salvado sorrisos, olhares, por mais que tenha amenizado, eu arrependo, arrependo de ter ficado com a parte mais difícil que é carregar sozinha nas costas já doloridas. E talvez explique o fato de ser “tão insuportável” “tão fria” você seria capaz de carregar todas as cicatrizes de quem ajudou? Todas as lágrimas de quem você enxugou? Todas as decepções as quais você aconselhou? Você seria capaz, de sofrer sozinho e sentir-se pesado, solitário, amargurado com a vida sem apoio? Sem amigos? Familia? Amor? Você seria capaz de existir sem felicidade? Sem alegrias? (…) To cansada de colecionar solidão. E fodas pra você que acha que é tudo balela, muito fácil falar sem estar no meu lugar, sem conviver aqui dentro de mim.

Todos.

Vida, correr atrás, desistência e morte

A muito tempo venho pensando nessa balela que o povo fica insistindo em dizer, e ontem vi uma frase que me fez refletir por algumas horas: “posso até sentir sua falta, mas correr atrás é bem diferente”. Fico pensando naquele clichê de que nós temos uma vida só, e nos pegamos a ditados populares a costumes sociais que ditam como temos ou devemos agir diante de alguma situação e sempre quando somos questionados ou nos questionamos esses tais ditados nos servem como um scape perfeito, assim como uma meta que devemos seguir só pra satisfazer um ego interior meramente social. Quantas vezes você não se pegou numa situação que abriu mão porque a sociedade ou porque alguém achava que você deveria o fazer, mas o seu coração e sua mente estava lá dizendo pra fazer e agir de outra forma? É complicado, por sei que muitos vão falar que não são assim, agem como acham que devem agir, e que não fazem o que muitos empregam por aí; mas quando na verdade a primeira reação ao ver frases como aquela é concordar veemente e compartilhar/publicar e curtir como se não houvesse outra alternativa além daquela.

Me vi nessa situação a pouquíssimos dias e me recusei a desistir, cheguei a conclusão de que desistir de alguém porque é mais “fácil” é burrice, é ignorar o fato de que aquela pessoa fez parte da sua vida e significou algo pra você; é ignorar que ela cruzou seus caminhos e por alguns momentos ti fez sorrir; é ignorar todos os papos, todas as noites em claro, todas as risadas e conversas sérias, é ignorar que ela ti fez bem. E não tem nada pior que “desistir”, porque vira-se hábito, vicio e quando você menos espera você desistiu dos seus sonhos, planos, projetos de vida, desistiu de ser feliz e acabou desistindo de ser viva! Optei por não cultivar esse hábito e fale quem quiser não é humilhação correr atrás de quem você gosta, do sonho que você tem, dos planos que você quer realizar, não é humilhação assumir pra você e pra quem está a sua volta o que você sente, quais são seus medos, e suas fraquezas. As pessoas precisam  perceber que não é humilhação ser imperfeito. Me peguei pensando também que á alguns meses (distantes por sinal); uma pessoa desistiu de viver (isso mesmo que vocês pensaram), essa pessoa simplesmente tirou a própria vida por desistir de correr atrás dos seus sonhos, de quem ama, dos amigos, desistiu de viver porque desistiu e ignorou o fato de que podia ser melhor do que estava vivendo naquele momento. Me vi diante de duas situações bem cruciais, a desistência dessa pessoa pela vida e a desistência das pessoas que estavam entorno dela pela vida dela. Aí vocês irão dizer, “mas ninguém culpado se alguém resolve morrer” realmente ninguém é culpado mas você já pensou que aquela pessoa a qual você não quis “correr atrás” precisava de alguma ajuda sua ou algum reconhecimento seu simplesmente pra ela criar forças pra não desistir? – Você já pensou quantas dores e cicatrizes o “não correr atrás” pode causar na vida de alguém? É aquela história de que os mínimos detalhes são os que machucam, sabe? E é engraçado quando você vê uma rosa, você reconhece os espinhos e mesmo correndo risco de se machucar você não desiste de pegar, porque ela tem algum significado (de desejo ou admiração) que ti faz insistir a tê-la e porque a vida ou alguém é tão dispensável assim? Já pensou nisso?

 Digam o que quiser, falem o que bem entender eu insisto. persisto e mesmo sendo um erro eu não desisto, opto por sofrer por estar correndo atrás do que sofrer por não fazer nada!!

BekiGirl

Todos.

Eu te amo

Você sabe que eu sempre vou estar aqui e sabe também que meu amor ultrapassa qualquer barreira, do tempo, da distância só pra ti ver bem. Nós sabemos o quanto tivemos que ser fortes nesses 10 anos, e quantas vezes essa mesma cena se repetiu e ti vi sorrir de novo, brincar, andar e aprontar por aí. Eu sei que você sairá dessa e essa aflição toda que invade meu coração vai passar e mais uma vez vou respirar aliviada ao ver seu sorriso de novo, ao ver seus olhos e seu jeito de “sou forte”. Sempre pedi “toma juízo”, “não faz isso”, “eu to aqui” e nenhum desses pedidos foram mentira, você precisa parar de me assustar assim, precisa entender o quanto eu te amo e se resguardar, você sabe quantas vezes nessa mesma situação eu briguei por você não ter me ouvido, briguei por não poder fazer nada, briguei por estar distante sem poder ao menos segurar sua mão; mas eu sempre estive aqui e sempre estarei porque nosso maktub é assim, “na alegria e na tristeza, na saúde e na doença” até que a próxima vida venha nos surpreender juntos de novo. Nós sabemos que a vida nunca acaba, e não acabará nem apagará meu amor por você.  Sabe essa noite foi a noite mais longa de todas, e passei relembrando todas as nossas histórias e você já percebeu o quanto somos felizes? O quanto nos divertimos? E o quanto nesses 10 anos crescemos como pessoa, como amigos, como confidentes o quanto ficamos forte? – Hoje eu quero pedir aos céus por você e agradecer por todas aquelas outras vezes que ele ti devolveu pra mim. Hoje quero me deter um pouco mais, e pedir a Deus pela sua vida, pelo seus sonhos, pelo mundo que você tem a conquistar com sua alegria, simplicidade e força. Hoje eu quero pedir aos anjos, Deuses, arcanjos por você e ouvir os céus me responder com sua melhora infinita. Não tenha medo, eu vou estar aqui, e iremos lutar juntos, iremos nos reerguer e num futuro bem próximo todo esse episódio virará apenas história, mais uma história da sua falta de juízo mas da sua superação e força e vontade de viver. Você me chamou, meu coração calou e toda a força que eu tenho e todo meu amor por você se concentrou na sua recuperação. Eu tenho certeza, que logo ti verei sorrindo novamente, só venha rápido porque meu coração não aguenta mais de aflição de saudade de vontade de te abraçar de novo e mais uma vez poder dizer: eu te amo, te amo pra sempre, pela eternidade.

Todos.

Não me Deixa

De todos nossos planos, nosso filho, nosso apartamento
Da nossa lua de mel, do nosso casamento..

 E eu senti, naquela mesma madrugada, eu já sabia que nada estava no seu lugar, que tudo tinha mudado e que algo havia acontecido. Naquela madrugada meu coração avisou que você não estava bem, e eu cabeça dura não quis dar margem pro desespero a procurar você. Mas eu já sabia. Naquela noite eu sonhei, e ti vi, eu sonhei e ti quis aqui comigo, como sempre, como todos os dias, como nesses 10 anos, eu ti procurei. Como eu queria que todo esse sentimento fosse mentira, como eu quis acreditar que meu sexto sentido é falho; como eu quis descrer que a cena voltaria a repetir, e a dor voltaria mais intensa, mais dolorida, mais ensandecida por algo bom de nós dois. Meu dia amanheceu frio, sem brilho e toda aquela chuva da tarde anterior anunciava que a dor viria tomar conta do meu corpo, do meu dia, do meu coração como uma droga forte. Eu já não sei descrever o estado de choque que minha alma exala, não sei dizer ao certo o quanto de mim ainda está vivo. Saber que você me chamou, e pela primeira vez eu não estava lá pra ti amparar, pra ti abraçar ou sequer segurar sua mão pra dizer “estou aqui, vai ficar tudo bem” – meu coração sangra. Eu te amo, e tudo que fica em mim são nossos sonhos, nossos planos, nossas risadas e confidencias. Eu te amo e tudo que sobra em mim é seu sorriso, seu olhar, seu jeito. Eu te amo e não seria capaz de viver sem ti ver. Pode ser egoista, mas eu ti quero aqui e como todas as outras vezes (e faria milhões se fossem necessário) eu imploro aos céus por você, por ajuda, por alento, por milagre. As lágrimas escorrem do meu rosto, como escorreram dos seus nessa tarde naquela cama fria, minha cabeça dói como a sua doeu, e minha confusão mental não mente a que você sentiu ao me chamar…eu queria, o Deus como eu queria estar do seu lado e ti abraçar, mas sei que meu espirito o fará e lhe mostrará que estou aqui, estou ti esperando, estou contigo como ti prometi, porque o nosso “pra sempre” é pra eternidade. Não me deixa, resista porque como você sempre dizia “pra quem tem fé a vida NUNCA tem fim” e não terá, não será agora e nunca será. Você tem o mundo pra descobrir, você tem seus sonhos a conquistar, nossos sonhos pra lutar. Você me prometeu e você tem que ficar ou “será que você já esqueceu?” . Eu te amo, ti espero… Volta logo, volta rápido, vem correndo….